Vai comprar o primeiro imóvel? Evite esses 7 erros!

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Comprar o primeiro imóvel é sempre uma decisão que traz um misto de sentimentos: ansiedade por se mudar em breve, satisfação e muita preocupação. Afinal, esse é um grande passo — envolve muito dinheiro, afeta o estilo de vida e o bem-estar no cotidiano.

Pensando nisso, preparamos uma lista com 7 erros que devem ser evitados nesse momento. Preste atenção em cada um para não se deixar levar pelo impulso e, depois, sofrer consequências por um negócio mal planejado. Vamos lá?

1. Não fazer uma avaliação financeira

O primeiro aspecto a ser levado em conta na hora de comprar o primeiro imóvel é a situação financeira do comprador. Até porque a compra à vista envolve um investimento alto de uma única vez, e os financiamentos imobiliários afetam o orçamento por prazos longos.

Então, tenha atenção em todos os detalhes e faça projeções — realistas — sobre o orçamento familiar no momento da compra, e também nos anos seguintes. Dedique-se principalmente a analisar os itens abaixo.

Variação nas prestações

Muitos financiamentos começam com parcelas mais altas, que vão ficando cada vez mais baixas, ou vice-versa. Isso depende do sistema de amortização escolhido, então, preste atenção nas correções para não ter surpresas no futuro que podem representar a impossibilidade de arcar com o valor.

Comprometimento do orçamento

É convencionado judicialmente que as prestações de imóveis não ultrapassem 30% da renda familiar. E esse limite existe por uma razão: parcelas maiores do que essa faixa podem levar a dificuldades de lidar com outras despesas domésticas necessárias, como as contas mensais e a alimentação.

Por esse motivo, é importante que o comprador não caia no erro de tentar “convencer” a instituição bancária ou a imobiliária de que pode pagar pelo bem no momento de comprovar renda. Apresente somente as receitas com as quais a família realmente pode contar mensalmente.

Custos extra

Não adianta se programar apenas para o pagamento da entrada. A aquisição de um imóvel envolve custos extra que, se não forem observados, podem representar uma somatória mais alta do que a família pode pagar. O resultado? Entrar no imóvel novo com dívidas em aberto.

Para não cometer esse erro e preservar a saúde financeira, vale a pena reservar algum valor para custear:

  • os documentos imobiliários;
  • impostos, como o ITBI;
  • reformas ou manutenções no imóvel;
  • pagamento do carreto para a mudança;
  • mobília nova, se for necessário.

2. Não observar a realidade do mercado

É um bom momento de investir no imóvel próprio? O mercado imobiliário é muito afetado por flutuações em taxas de juros, especialmente para quem busca um financiamento. Por isso, vale a pena ficar por dentro de tendências e perspectivas para fazer um negócio mais rentável.

3. Não pesquisar o histórico da construtora ou do vendedor

Contar com profissionais confiáveis é essencial nesse processo. Afinal, estamos falando de um bem material de grande valor. Vendedores que conhecem a região conseguem indicar melhores oportunidades, assim como o conhecimento jurídico é fundamental para que tudo corra de forma eficiente.

Se for comprar uma casa ou apartamento ainda em fase de construção, essa atenção se volta para a construtora ou incorporadora. Pesquise o histórico da empresa para se certificar de que cumpre prazos de entrega, trabalha com materiais de qualidade, presta um bom atendimento etc.

4. Não elencar as necessidades da família

Um dos erros mais comuns de quem vai comprar o primeiro imóvel é se deixar levar pela empolgação e não refletir sobre como será o dia a dia da família. Nessa análise entram muitos aspectos, como:

  • localização do imóvel: proximidade com o centro, lojas, escolas, e por aí vai;
  • deslocamento até o trabalho: qualidade das vias e tempo estimado para as rotas;
  • estrutura do imóvel: número de quartos e de banheiros, espaço na vaga de garagem, existência de quintal ou área de lazer, se for condomínio.

5. Não visitar o local antes

Encontrou o imóvel perfeito para as necessidades da família, fez todas as contas e já pesquisou sobre a imobiliária e o vendedor? Ótimo! Mas se tudo isso ocorreu virtualmente ou por telefone, alerta: um grande erro é não visitar o local antes de efetuar a compra.

As fotos podem não representar com muita fidelidade a realidade. Por isso, visite e tenha impressões mais confiáveis sobre o espaço, a disposição dos cômodos, a atmosfera da vizinhança e tudo mais.

6. Não realizar uma vistoria no imóvel

Agora, hoje em dia, o boca a boca não vale muito, não é? Para ter mais segurança e comprar o primeiro imóvel sem prejuízos, a dica fundamental é realizar uma vistoria imobiliária. É nesse momento que um profissional (normalmente da imobiliária), fará uma análise detalhada de aspectos como:

  • estado das paredes e da pintura;
  • condições do acabamento;
  • indícios de umidade ou de pragas;
  • funcionamento do sistema elétrico e do hidráulico;
  • existência de fios e cabos expostos;
  • permanência de móveis ou objetos no local, no caso de o imóvel ser usado.

Esses e outros detalhes são registrados em um laudo de vistoria, que fica anexado ao contrato. Desse modo, a verdadeira condição do local no ato da venda fica clara e, se for o caso, o comprador pode até mesmo solicitar uma revisão no preço do imóvel.

7. Não prestar atenção no contrato

O contrato de compra e venda oficializa a aquisição do imóvel e serve para registrar as responsabilidades e garantias das partes envolvidas. Como é um dos documentos de maior relevância nesse processo, ele precisa ser lido e relido quantas vezes forem necessárias.

Se houver alguma dúvida sobre termos, cláusulas ou observações ali escritas, não hesite em solucioná-las antes de assinar o contrato. Por isso, a pesquisa sobre a imobiliária ou construtora é ainda mais importante — profissionais bem preparados e confiáveis oferecerão todo o suporte ao comprador nesse momento.

Viu como comprar o primeiro imóvel não pode ser uma atitude impulsiva? Preste atenção nesses 7 erros e planeje-se para que eles não aconteçam no seu caso. Assim, todo o processo será mais tranquilo e, no futuro, sua família não terá dores de cabeça ou arrependimentos.

Para receber mais dicas e fazer um bom negócio imobiliário, curta nossa página no Facebook e acompanhe as postagens!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-